ORMUS - Originalmente dos Pergaminhos do Mar Morto!



Em toda a nossa história o ouro sempre esteve associado aos deuses e aos nobres. Além de sua raridade imposta e controlada por cartéis que acumulam quantidades absurdas desse elemento provocando sua escassez e consequentemente seu preço alto, o ouro quando rearranjado orbitalmente ganha propriedades inusitadas. 


Vamos começar em 1904, quando Fundação para a Exploração do Egito localizou em cima do monte Horeb um templo, não por acaso foi neste mesmo monte que Moisés recebeu os dez mandamentos.

Esse templo era dedicado à deusa Hathor, também conhecida como Inana para os Sumérios, Ishtar para Acádios e Babilônios, Isis para os Egípcios, Afrodite para os Gregos e Vênus para os Romanos.

A essa deusa era associado o amor, a beleza, a música, a alegria e fundamentalmente a longevidade, conhecida também como alimentadora.

Era esposa e filha de Ra (Anu), portanto uma extraterrestre reptiliana e completamente conhecedora de qualquer fenomenologia da ciência e da tecnologia.

Logo de início, os arqueólogos que participaram dessa expedição notaram que aquele templo era diferente dos demais templos conhecidos.

Na primeira observação feita notou-se que o templo de Hathor era um laboratório onde se produzia algo muito importante, pois um laboratório tratado como templo era totalmente inusitado.

Através de vários registros nas paredes do templo ficou esclarecido o que se produzia lá: o Mfkzt, o elixir da vida, o elixir dos deuses, o pão da vida, para os egípcios. Nessa expedição foram achadas cinquenta toneladas de um pó branco, muito fino. Amostras foram colhidas e depois de analisadas todo o pó branco foi retirado e levado para local desconhecido.

Tal análise chegou à conclusão que se tratava de ouro monoatômico, uma substância de alto spin, monoatômica, para a qual o termo científico é "ORME — Orbitally Rearranged Monoatomic Element" ou "elemento monoatômico orbitalmente rearranjado".

Atualmente sabemos que o pó branco achado em Hathor era feito de ouro puro em um estado rearranjado orbitalmente e desconhecido dos químicos. 

Solúvel em água potável (sem ácidos) seria essa substância a responsável por garantir a longevidade e de grande valia contra as principais doenças.

Conforme pode ser observado em vários hieróglifos era consumida com regularidade pelos faraós dando divindade a eles "o leite de Hathor".

Também através dos hieróglifos do templo Hathor ficou-se sabendo que o ouro monoatômico de alguma forma anula a gravidade, explicando as construções gigantescas egípcias. 

Concluiu-se também que esse conhecimento provavelmente saiu do Egito junto com os Israelitas durante o êxodo e foi passado de geração em geração até chegar aos Essênios.

Os Essênios extraiam o ouro monoatômico produzido naturalmente das águas do Mar Morto.

Nas "Escavações em Qumrân" que vem ocorrendo desde a década de 1950, a característica mais importante são as impressionantes construções e o número e o tamanho dos poços de água e a complexidade dos condutos e canais.

Um aqueduto no lado oeste vinha das colinas trazendo um suprimento de água fresca. Outros cursos de água vinham diretamente do salgado Mar Morto. Um dos mais importantes era o canal Mazin, de 95 km, um pouco abaixo de Qumrân.

Essa água possui alto teor mineral, sendo imprópria para consumo. Mas, como até atualmente, contém uma quantidade alta de ouro monoatômico natural. Experimentos revelam que o precipitado do Mar Morto contém 70% de ouro em estado monoatômico e 30% de magnésio. A aplicação de ácido hidro clorídrico no precipitado seco dissolve o magnésio, deixando um pó branco, o shem-an-na, shamana, maná ou ouro monoatômico.

Salomão manufaturava a Pedra Filosofal "ouro monoatômico" a partir de ouro extraído da maneira convencional, porém o método dos essênios era refinado e aperfeiçoado a partir de uma fonte disponível.

Mas não é só em Hathor e em Qumran que há registros sobre o ouro monoatômico.

Desde a idade média há mitos de sua fabricação através da alquimia. Durante a idade das trevas, esse conhecimento acabou se limitado a ordens secretas. 

Há também registros de alquimia relacionada aos Gregos, ou seja, se continuarmos pesquisando chegaremos a "Escola de Mistérios dos Sumérios", como sempre..

Os registros sobre o ouro monoatômico estão nas obras de Hermes, Irineu Filaleto, Frater Albertus, Frei Basile Valentin, Arnou Villanova, Cyliani e Fulcanelli, enfim nas obras clássicas da tradição hermética, mas sempre voltadas exclusivamente para o uso medicinal.

A alquimia além de estar relacionada à produção do ouro monoatômico também está relacionada diretamente a produção do ouro em si.

No livro "Mistérios e Magias do Tibete" o Chiang Sing fala dos sábios alquimistas Tibetanos que não só conheciam os ensinamentos alquímicos como transformavam um simples metal em ouro. 

 

A "FONTE DA JUVENTUDE" 

 

Buscada incessantemente pelos espanhóis no novo mundo, nada mais é que uma fonte de água contaminada com ouro monoatômico natural. 

Na tradição hermética, a tábua de esmeralda é o documento mais antigo da pedra dos filósofos e alquimistas, contêm os segredos de Hermes, que deriva de Herma, nos textos antigos, ele está relacionado diretamente a construção das pirâmides.

Corresponde a Thoth o grande arquiteto, também conhecido como "Hiram" ou a "estrela da manhã", construtor entre outras edificações as pirâmides do Egito, profundo conhecedor da aplicação do ouro monoatômico na presença de energia em ponto zero para anular a gravidade.

Para os sumérios corresponde a Ningishzida, filho mais novo de Enki que é o filho primogênito de Anu com uma concubina, responsável pelas duas entradas horizontais genéticas que modificou o humano terrestre e o fundador da Irmandade da Serpente "tendo como símbolo o Caduceu" e da Escola de Mistérios. 

Consequentemente o deus conhecido pelos nomes Ningishzida, Thoth, Hermes e Hiram era neto de Annu imperador dos reptilianos e o deus bíblico. 

Kem que era o alto sacerdote de "Menfis - a maior cidade do delta do Egito" e adorador de Enlil irmão de Enki, também é conhecido como o personagem bíblico Ham, avó de Nimrod, estes foram amaldiçoados pelos hebreus, pois suas tradições iam contra a cultura de Jeová(Anu). 

Sendo Thoth, filho de Enki, portanto inimigo de Enlil, segundo filho de Anu, que não era aceito pelos hebreus pois os dois filhos de Anu disputavam e disputam o direito de controlar a Terra.

Kem de Menfis é frequentemente simbolizado como um bode, que era também o emblema de Ham até 1700 ac. 

Portanto fica fácil entender porque o bode e o pentagrama invertido são usados até hoje pelas sociedades secretas.

Como foi dito pelo próprio Albert Pike, em "Moral e Dogmas da Maçonaria", é Thoth o grande arquiteto.

Atualmente o ouro monoatômico é um dos principais componentes na pesquisa da obtenção e controle da energia livre, energia em ponto zero. 


Aqui você tem a oportunidade de fazer o seu próprio ORMUS de maneira simples e acessível! 

Ingredientes:

  • * 4 Colheres de Sal do Mar Morto;
  • * 5 Litros de Água Destilada;
  • * 2 Colheres de Bicarbonato de Sódio; 

Modo de Preparo:

  1. Coloque 4 colheres de sal do mar morto para cada 500 ml de água destilada e deixe aquecer em fogo baixo (80 graus é o suficiente);
  2. Numa frigideira ou numa panela em fogo brando coloque as 2 colheres de bicarbonato e vá desfazendo as bolinhas que vão formando, assim, quando já não houver bolinhas (que são formadas pela humidade), quando restar só o pózinho branco é hora de retirar do fogo, normalmente 3 a 4 minutos é o sufuciente;
  3. Meça o PH da água (Deve ser de 10.7), vá adicionando o carbonato aos poucos para obter o resultado desejado;
  4. Deixe a água mornar e acrescente a solução de carbonato (o resultado de aquecer o bicarbonato até o mesmo secar) e misture bem até o mesmo se disolver completamente;
  5. Em poucos minutos obterá o tão desejado ORMUS; 

Como Lavar o ORMUS:

  1. Deixe decantar por 24 horas em lugar frio e escuro;
  2. Após decantar completamente, retire SOMENTE A ÁGUA da parte de cima do ORMUS com muito cuidado para não jogar o tão "precioso" fora e preencha o restante do recipiente com mais água destilada (deduzindo que o recipiente tenha uma capacidade para 500 ml);
  3. Repita o processo de 6 a 8 vezes até equilibrar o ph da água (que deve ser o mesmo ph da água que você costuma beber no dia-a-dia); 

Como Consumir:

  1. Depois que conseguir alcançar o PH desejado substitua a água destilada pela água que costuma beber no dia-a-dia;
  2. Agite o recipiente sempre antes de beber de forma a misturar a substância na água;
  3. A dose diária recomendada é de "50 ml dia" para quem está saudável e de "150 ml dia" para quem tem algum tipo de enfermidade;
  4. Não deve acrescentar mais água à substância, pois esta deve ser consumida até o fim; 

RECOMENDAÇÕES:

O ORMUS deve ser feito e armazenado sem a presença de luz solar, pois a mesma altera suas propriedades;

Nunca use recipients ou utensílios de alumínio porque o alumínio reagirá com os alcalinos e vai envenenar o precipitado; 


OBS:

O ORMUS não substitui uma alimentação balanceada, apenas atua como um suplemento ou um plus para as nescessidades biológicas dos organismos vivos, potencializando os mesmos.  


 Gostou dessas dicas?

COMPARTILHE!!!

Curta também nossa página no facebook e acompanhe o site para mais novidades quentes e únicas!